“13 dias deste janeiro” o emocionante poema de um dos engenheiros envolvidos no resgate de Julen

Mario Muñoz-Atanet é um dos engenheiros que esteve envolvido na operação de resgate de Julen em Málaga. O poema fala sobre os últimos treze dias de janeiro, que prefere apagar da sua vida.

Ali, naquele poço, mais de 300 pessoas focaram-se em salvar Julen dia e noite, sem nunca perderem a esperança de um “milagre” que acabou por não acontecer.

O poema, que tem sido divulgado através das redes sociais, mostra o desespero vivido durante aqueles dias de trabalho intensos e intermináveis, fala também da imensa dor depois de se confirmar que a criança estava sem vida, porque, como Mario Muñoz-Atanet diz, muitas dessas pessoas deslocadas para Totalán são pais e viveram com angústia especial este acidente.

Este é o poema de Mario Muñoz-Atanet:

Treze dias deste janeiro

Queria apagar da minha vida
13 dias deste janeiro
Queria apagar da minha mente
esta angústia e desespero.

Queria cavar com as minhas mãos
esse monte todo inteiro
Queria encontrar amparo
para esses pais sem consolo.

Queria ficar com as pessoas,
com o coração de todas elas.
Grandes! Homens e mulheres
Que Deus os guarde a todos.

Todos a um somando,
Guardas, doutores, mineiros,
bombeiros e voluntários,
operacionais, técnicos e trabalhadores.

Queria reconhecer o valor
força e tenacidade,
de um homem em especial,
o nosso Anjo, García Vidal.

Aceitou a responsabilidade
Não duvidou nem deu um passo atrás
e uniu os que fomos ali parar
àquele monte singular.

Escavamos aquele lugar,
dez dias sem descanso,
pensando em encontrar
um milagre em Totalán.

“Não quero medalhas,
méritos ou reconhecimentos,
Algo assim não merece
que se celebre qualquer festejo.

Fizemos o que podíamos,
abraçados todos a um sonho,
acolhemos a esperança
de poder salvar o pequeno.

Agora choro na minha cama,
abraçado aos meus pequenos,
e queria apagar da minha vida
13 dias deste janeiro.



Comentários

Talvez seja do seu interesse...