Noite muito complicada: “vento vai favorecer a progressão do incêndio”

As chamas alastraram-se muito rapidamente durante esta tarde de quarta-feira, chegando a avançar dois quilómetros por hora, a Proteção Civil não espera uma noite fácil no combate ao incêndio na zona de Silves.

A 2.ª comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, contou que “Não nos espera um período fácil. A meteorologia, mais uma vez, sobretudo no que diz respeito ao vento, mantém-se bastante desfavorável, ou melhor, vai favorecer aquilo que é a progressão do incêndio”.

A zona entre Silves e São Bartolomeu de Messines, no mesmo concelho, é neste início de noite “muito complexa”, tendo as chamas lavrado “praticamente em toda a área entre São Marcos da Serra e Silves, uma área bastante significativa”.

Os principais problemas do combate durante o dia, apontou, foram a orografia, que dificultou o trabalho dos meios terrestres, e “o próprio comportamento do incêndio, que originou muito fumo”, o que impediu uma atuação eficaz dos meios aéreos.

A Proteção Civil irá recorrer durante a noite à maquinaria pesada para abrir aceiros.

Patrícia Gaspar indicou que a GNR tem tentado “andar o mais cedo possível à frente da progressão do incêndio”, evacuando localidades, e repetiu o apelo para que as pessoas cumpram as indicações das autoridades de segurança e socorro.

A autoridade nacional não dispunha, às 20:00, de dados finais sobre o número de pessoas retiradas de suas casas durante a tarde. De manhã, a responsável indicou que havia 181 pessoas deslocadas.

Questionada sobre eventuais falhas nas operações, a 2.ª comandante operacional nacional afirmou que “não houve nenhuma falha” e que a meteorologia provocou “um comportamento absolutamente errático de muito difícil previsão”.

O incêndio deflagrou na sexta-feira em Monchique, lavrando também nos concelhos de Portimão e Silves.

Comentários

You may also like...