Nunca esqueça Saman Gunan – O Mergulhador que morreu a salvar as crianças da gruta

É incrívelmente raro um ser humano ter coragem suficiente para dar a sua vida em prole de um grupo estranho. É esta a razão pela qual devemos todos reconhecer e relembrar o feito de Saman Gunan, que morreu na semana passada.

Saman Gunan, perdeu a vida a meio do caminho quando ficou sem oxigénio durante a missão de entregar tanques de oxigénio aos doze rapazes e ao seu treinador de futebol que estavam presos na gruta em Chiang Rai, na Tailândia, durante quase três semanas.

À medida que as notícias do salvamento que foi bem sucedido se vão espalhando, é importante relembrar Saman Gunan, que morreu na quinta-feira, a 5 de Julho.

A Royal Thai Navy soldier carries a portrait of Saman Gunan, a former navy SEAL who died in an accident in Tham Luang cave in a rescue mission for the trapped 12 boys and their coach during arrival honors for Gunan's remains at a military base in Chon Buri province on July 6, 2018. - A former Thai navy diver helping to rescue a football team trapped inside a flooded cave died July 6 as officials warned the window of opportunity to free the youngsters is "limited". (Photo by Panumas SANGUANWONG / THAI NEWS PIX / AFP) (Photo credit should read PANUMAS SANGUANWONG/AFP/Getty Images)

PANUMAS SANGUANWONG/AFP/Getty Images

Gunan estava na vanguarda da missão para salvar os jovens, alguns dos quais tinham apenas 11 anos, e o seu treinador apenas 25.

O ex elite da marinha, que tinha apenas 38 anos de idade, deixou para trás a sua família para ajudar os seus companheiros de mergulho, alguns dos quais viajaram de partes diversas do mundo só para poderem ajudar no salvamento das crianças.

Incialmente, chegou a pensar-se que seria preciso  esperar que  a época da chuva terminasse para poderem salvar os rapazes encurralados, mas à medida que os níveis de oxigénio foram baixando até aos 15% (os valores normais são 21%), algo teria que ser feito antes do final da época das chuvas, que será daqui a 4 meses.

Foi assim que se deu a entrada de uma equipa de mergulhadores muito experientes, entre os quais estava Gunan.

Foram-lhes dados ordens para entregar oxigénio aos rapazes encurralados, estiveram envolvidos mais de mil pessoas nas operações de salvamento, incluindo mergulhadores, oficiais do exército, civis e voluntários.

Ir e voltar até à zona onde se encontravam demorava mais de 11 horas, era necessário passar por locais muito estreitos, alguns dos quais totalmente submersos e sem qualquer fonte de luz, e muitas vezes contra a corrente das águas.

Gunan estava a tentar fazer esta passagem quando perdeu a vida, ficou inconsciente numa das passagens estreitas das grutas, segundo disse Passakorn Boonyaluck, vice-governador da região de Chiang Rai.

Ele disse ainda que o parceiro de mergulho de Saman, o tentou reanimar, mas já teria chegado tarde.

Desde a sua morte, os treze perdidos na cave foram resgatados numa missão de três dias, que começou no dia 7 de Julho.

Enquanto a nação, e os jornais pelo mundo a fora vão revelando aspetos incríveis deste salvamento, é também muito importante prestar o respeito a todos aqueles que arriscaram as suas vidas a salvar o grupo, especialmente a Gunan.

A sua mulher, Waleeporn Gunan, falou numa entrevista à BBC sobre a sua perda onde disse:

Nos olhos das pessoas ele era amável. Eu amava-o imenso, amava-o de verdade.
Todos os dias antes de ele partir para o trabalho, dizíamos um ao outro que nos amávamos. Ao meio dia enviávamos uma mensagem para saber para saber como estávamos.
Se me perguntarem se estou triste, é como se tivesse morrido mas continuo a respirar.

Waleeporn explicou como usa o orgulho que tem no último acto de bondade e coragem do seu marido para ajuda-la a lidar com a sua perda:

Eu uso o orgulho para ultrapassar a tristeza. Ele foi reconhecido como um herói por quem ele era.

Ele amava ajudar os outros, fazer caridade e conseguir por as coisas em prática. Por isso eu tento usar o orgulho para me ajudar a lidar com a tristeza que sinto.

Numa partilha de uma mensagem com o Saman, ela contou-lhe o seu amor por ele, “ele é o herói no meu coração, sempre foste e sempre o serás”

O pai dele, Wichai Gunan, também partilhou algumas palavras com esperança que o seu filho as receba:

“Estou muito orgulhoso, mas ao mesmo tempo muito triste por ter perdido o meu amado filho.
Que descanses em paz. Que descanses bem. O teu pai ama-te.

A sua vida servirá como lembrança de toda a força e coragem que os Humanos conseguem ter quando o amor vem diretamente do nosso coração.

Ninguém sabe ao certo como reagiria numa situação de crise destas a menos que tenha vivido algo assim.

Histórias da bravura dos pequenos rapazes que enviaram cartas para as suas família a dizer para não se preocuparem também tocaram nos corações de todas as pessoas pelo mundo a fora.

 

Mas o que Saman fez, aquele último acto de altruísmo, de bravura, de coragem, nunca deverá ser esquecida por ninguém.

Que a sua alma descanse em paz.

Comentários

You may also like...